Google+ Followers

sábado, 18 de março de 2017

“QUEM AMA CUMPRE PLENAMENTE A LEI DIVINA”



ADMEP – ASSEMBLEIA DE DEUS MINISTÉRIO ESTUDANDO A PALAVRA

Departamento de Educação Cristã
Escola Bíblica Dominical


QUEM AMA CUMPRE PLENAMENTE A LEI DIVINA


Texto Áureo:
“A ninguém devais coisa alguma, a não ser o amor com que vos ameis uns aos outros; porque quem ama aos outros cumpriu a lei.
(Romanos 13.8)


Verdade Prática:
Amar a Deus e ao próximo é cumprir plenamente a lei divina.



Leitura Bíblica em Classe
Romanos 12.  8 – 14


Objetivo Geral: - Explicar que amar a Deus e ao próximo é cumprir plenamente a lei divina.

Objetivos Específicos: -

1.            Compreender a singularidade do amor agápe;
2.            Mostrar que precisamos amar a Deus e ao próximo;
3.            Explicar que sob a tutela do amor, devemos rejeitar as obras das trevas.


Introdução:   Já estudamos a alguns aspectos do fruto do Espírito e obras da carne. Deixamos para tratar a respeito do amor em uma única lição, pois o objetivo é que venhamos compreender a singularidade e a importância desse aspecto do fruto do Espírito.

Podemos agrupar os nove aspectos do fruto do Espírito da seguinte maneira:  Os atributos que tratam do nosso relacionamento com Deus: amor, paz e alegria. Os que tratam do nosso relacionamento com o próximo: longanimidade, benignidade e bondade. Os que tratam do nosso relacionamento com nós mesmos: fidelidade, mansidão e domínio próprio. Porém, nesta lição, veremos o aspecto do amor. A maior marca de uma igreja não é sua teologia, seu templo, tradições, mas sim o seu amor para com o Senhor Jesus e para com o próximo.

I.   A SINGULARIDADE DO AMOR AGÁPE
01)       Amor, um aspecto do fruto. O amor é o primeiro aspecto do fruto que encontramos na relação de Gálatas 5. 22. Podemos afirmar que tal sentimento é solo onde os demais aspectos do fruto devem ser cultivados. Paulo relata a suprema excelência do amor em I Coríntios 13. A língua grega possui três vocábulos para denominar o amor: agápe: amor divino; philéo: amor entre amigos e eros, amor entre cônjuges.

02)   Amor agápe. – Amor agápe, significa “amor abnegado e profundo”.  “Amor agápe”, a palavra gr. assim traduzida denota preocupação altruísta pelo bem-estar do outro, não resultante de nenhuma qualidade amorável da pessoa amada, brotando, porém, da disposição de amar em obediência ao mandamento de Deus. É como o amor de Cristo manifestado na cruz. (Jo 13. 34, 35; I Jo 3. 16).

ü   Romanos 13. 8, diz: “não devam nada a ninguém, a não ser o amor de uns pelos outros...”.  Amar é a única dívida que nunca conseguimos saldar totalmente, independentemente de quanto o crente tenha amado, tem a obrigação de continuar amando.
ü   Mateus 22. 37, 39, diz: “ame”. O verbo grego não é philéo, que denota afeição entre amigos, mas agápe, compromisso de dedicação dirigida pela vontade, podendo ser exigida como obrigação.

ü   Mateus 22. 37, diz:de todo o seu coração [... ], alma [... ], entendimento, com a totalidade do ser”. O texto heb. De Dt 6. 5 traz “coração” [... ], “alma” [...], “forças”; mas alguns manuscritos da septuaginta (a tradução do AT em grego) acrescentam “entendimento”. Jesus combina os quatro elementos em Marcos 12. 30.

ü   João 13. 35 diz:Como eu os amei” – Nosso padrão de amar, é o amor de Cristo por nós.

3)  O amor agápe derramado em nós. – Quando recebemos pela fé, o Senhor Jesus, nos tornamos uma nova criatura (Jo 3.3). O amor de Deus em nós nos proporciona: O Fruto completo do Espírito que é: paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão e temperança. (Gl 5.22). Que tem o amor de Deus considera o próximo e está sempre disposto a servir a todos, assim como o nosso Mestre (Mc 10.45). O Amor de Deus, o amor agápe, é singular. 
Subsídio Didático:
São três as dimensões do amor agápe:
1)           A dimensão vertical: é o amor em direção a Deus.
2)           A dimensão horizontal:  é o amor em direção ao nosso semelhante.
3)        A dimensão interior: é o amor em direção a nós mesmos. Se conseguirmos cumprir essas três dimensões, cumprimos toda a lei. (Lucas 10. 27).

II.       AMAR A DEUS E AO PRÓXIMO 
1)           O amor a Deus. – O amor de Deus por nós é altruísta, abnegado e ímpar. E a única coisa que Ele exige de nós, que venhamos a amá-lo com todo o nosso coração: [...] “Amarás o Senhor teu Deus, de todo o teu coração [...]” (Mt 22. 37).  Como podemos expressar nosso amor a Deus? De diferentes formas. Veja na lição: Mas a melhor maneira de expressar nosso amor a Deus é abandonar o pecado e procurar ter uma vida santa. - Quem se encanta com o pecado não ama ao Senhor e nunca o conheceu. A resposta do Senhor para estes é apenas uma: [...] “Nunca eu conheci” [...] (Mt 7. 22, 23).
2)        O amor a si mesmo. – Amar a si mesmo pode parecer narcisismo, mas não é.  Pois se você não se amar e aceitar-se, como poderá amar a Deus? Amar a si mesmo é acima de tudo um mandamento divino: “[...] Amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Mt 22. 29).

3)           O Amor ao aproximo. – Este é amor Fraternal (philéo). “Como visto em 2 Pedro 1.7, há um segundo tipo de amor, o qual é chamado amor fraternal ou bondade fraterna.  Este amor é amizade, um amor humano que é limitado. Amamos se somos amados. (Lc 6. 23). A bondade ou amizade fraterna é essencial nas relações humanas, mas é inferior ao amor ágape, porque depende de uma relação recíproca; quer dizer, somos amigáveis e amorosos com aqueles que são amigáveis e amorosos conosco”. É importante ressaltar que amor não é somente sentimento, mas ação. Não basta amar somente de palavras. Quem ama a Deus ama o próximo! -  Em I Pedro 4. 8 diz: “Amem-se sinceramente uns aos outros”: (I Ts 4. 9, 10; 2 Pe 1. 7; I Jo 4. 7 – 11). O amor perdoa [...] pecados. O amor perdoa vez após vez (Mt 18. 21, 22; I Co 13. 5; Ef 4. 32). Em Mt 18. 22 diz: “70 x 7 = significa, inúmeras vezes.

ü   Lucas 6. 27: - “Amem os seus inimigos”.  A tônica do ensino de Jesus é o amor. Jesus não somente proíbe maltratar o próximo, mas também ordena que amemos a todos - até mesmos os inimigos!

III.     SOB A TUTELA DO AMOR, REJEITEMOS AS OBRAS DAS TREVAS
1)       Debaixo da tutela do amor. - O que é uma tutela? A tutela é um “encargo jurídico de vetar por, representar na vida civil e administrar os bens de menor, interdito ou pessoa desaparecida”.  Logo, ter um tutor significa ter alguém para amparar, defender e proteger. Fora da tutela do amor agápe, amor divino, o crente pode voltar a prática das velhas obras infrutíferas da carne. Sem o amor de Deus, em nós, somos capazes de amar mais as trevas que a luz (Jo 3. 19).
2)       Amor, antidoto contra o pecado. – Se quisermos evitar as obras da carne, precisamos nos encher do Espírito Santo e do seu amor (Ef 5. 18). O amor nos faz agir de modo cortes e paciente, demonstrando ao mundo que somos discípulos de Cristo (Jo 13. 35). – (vers. 35) “Se amarem”, sinal inconfundível dos seguidores de Cristo. (I Jo 3.23; 4. 7, 8, 11, 12, 19 – 21).
3)       O amor leva à obediência. -  O amor, fruto do Espírito, não é um mero sentimento. Amar envolve ação, atitude (I Jo 3. 18). O que torna uma igreja forte não são seus recursos financeiros, seus líderes ou o número de membros, mas amor revelado em atitudes e palavras. Quem ama ter prazer em ouvir e obedecer a Palavra de Deus: “Se alguém me ama, guardará a minha palavra. [...] Quem não me ama não guarda as minhas palavras”. (Jo 14. 23, 24). Quem ama obedece e vive de modo a agradar o Pai.


Conclusão: - Como nova criatura, você precisa amar e evidenciar esse amor mediante suas atitudes e palavras. Que venhamos rogar ao Pai um coração amoroso, capaz de amar até mesmo aqueles que se declaram nossos inimigos. (Mt 5. 44).

Elaborada pela prof.ª Maria Valda
ADMEP








Nenhum comentário:

Postar um comentário