Google+ Followers

terça-feira, 23 de maio de 2017

O QUE É A BÊNÇÃO APOSTÓLICA NA BÍBLIA




O Que é a Bênção Apostólica na Bíblia e Qual é o Seu Significado?


Bênção apostólica é uma bênção trinitariana que muitos pastores pronunciam no final dos cultos. Essa bênção é chamada de “apostólica” porque foi escrita pelo apóstolo Paulo na conclusão de sua segunda Epístola aos Coríntios.

Essa bênção é a mais completa de todo o Novo Testamento, pois é a única que traz em sua fórmula a menção ao Pai, Filho e Espírito Santo. Por isso também é chamada de “bênção trinitariana”.
Onde está a bênção apostólica na Bíblia?

A bênção apostólica está registrada em 2 Coríntios 13:13. Com base nesse texto, a bênção apostólica consiste na seguinte frase: “A graça de nosso Senhor Jesus Cristo e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo estejam com todos vocês”.

Na verdade, o próprio Paulo usualmente concluía suas epístolas registrando uma bênção final. No entanto, todas elas apresentam uma fórmula mais simplificada em comparação à bênção registrada em 2 Coríntios.
Nas outras epístolas, basicamente sua bênção final segue o seguinte padrão: “A graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja com todas vós” (Romanos 16:20,24; 1 Coríntios 16:23; Gálatas 6:18; Filipenses 4:23; 1 Tessalonicenses 5:28; 2 Tessalonicenses 3:18; cf. Filemom 1:25).

Em outras epístolas, ele apenas mencionou a frase: “A graça seja convosco” (Colossenses 4:18; Tito 3:15; cf. 1 Timóteo 6:21; 2 Timóteo 4:22). A bênção final registrada na Epístola aos Efésios também apresenta alguns detalhes diferentes em relação a essas outras, onde Paulo escreveu: “Paz seja com os irmãos, e amor com fé da parte de Deus Pai e da do Senhor Jesus Cristo. A graça seja com todos os que amam a nosso Senhor Jesus Cristo em sinceridade” (Efésios 6:23,24).

Qual o significado da bênção apostólica?

A bênção apostólica escrita por Paulo basicamente significa a expressão do desejo eficaz de que o Deus Triuno abençoe os redimidos capacitando-os com as virtudes do amor, graça e comunhão. Por “desejo eficaz” deve-se entender que essa bênção não é um mero desejo, como se fosse algo que pode ou não vir a acontecer, mas uma promessa que se torna real na vida daqueles que verdadeiramente creem em Cristo. É certo dizer que essa bênção de forma direta e objetiva expressa os pontos principais da mensagem do Evangelho.

Também é interessante notar que a sequência na qual o apóstolo mencionou a Trindade difere da forma usual como ela geralmente aparece no Novo Testamento, onde o Pai é mencionado primeiro, depois o Filho e, depois, o Espírito (Mt 28:19).
Existem outras ocorrências onde isso acontece, como por exemplo, na saudação do apóstolo Pedro na introdução de sua primeira epístola, onde ele mencionou a Trindade na sequência de Deus o Pai, Espírito Santo e Jesus Cristo (1Pe 1:2).

O fato de o apóstolo Paulo ter mencionado uma sequência diferente em sua bênção, provavelmente significa que ele estava buscando enfatizar a Pessoa de Cristo e a experiência da salvação no contexto de sua carta, já que durante toda a epístola ele repete várias vezes a expressão “nosso Senhor Jesus Cristo” (2Co 1:2,3; 8:9; 11:31; 13:13). A seguir, vamos entender cada parte da bênção apostólica.

A graça de nosso Senhor Jesus Cristo

Na primeira frase da bênção, o apóstolo destaca a graça do Senhor Jesus. Calvino, em seu comentário de 2 Coríntios, concluiu muito bem dizendo que o conceito de graça nessa bênção significa o benefício completo da redenção.
Essa graça de Cristo foi derramada sobre os redimidos por meio de sua vida, morte e ressurreição, de modo que os santos agora estão vestidos de justiça pelos méritos de Cristo. Isso significa que não há nada em nós que nos credencie a salvação, mas que somos salvos pela graça de Cristo, o qual ocupou o nosso lugar e sofreu o castigo que merecíamos.
E o amor de Deus

A graça de nosso Senhor Jesus Cristo revela o amor de Deus, ou seja, é por meio desse amor que os redimidos têm acesso a essa graça tão maravilhosa. O próprio Jesus explicou muito claramente essa verdade fundamental quando conversou com o fariseu Nicodemos, dizendo que por amar o mundo de tal maneira, Deus entregou seu Filho unigênito (Jo 3:16).

Isso nos mostra que o amor de Deus por seu povo não se iniciou na cruz com a morte de seu Filho, mas que foi esse amor que levou seu filho à Cruz. Mais uma vez entendemos que a causa de nossa salvação não está em nós, mas totalmente em Deus.
E a comunhão do Espírito Santo

A graça de nosso Senhor Jesus revela o amor de Deus por nós resultando na comunhão do Espírito Santo pela qual podemos experimentar essa bênção tão sublime. O Espírito Santo habita no coração do salvo, fazendo dele seu templo (1Co 6:19), de modo que somente Ele é quem pode convencer o homem do pecado, regenerá-lo e capacitá-lo a viver uma vida que agrada a Deus.

Essa nova vida é marcada pela santificação, e expõe os resultados visíveis das virtudes do fruto gerado pelo próprio Espírito.

O uso da benção apostólica no culto é obrigatório?

Não, o uso da bênção apostólica no culto não é obrigatório. Não existe uma ordenança bíblica de que o final de cada culto deve ser acompanhado da bênção apostólica. Certamente a maioria das comunidades cristãs possui esse costume em seus cultos, porém existem muitas outras que não adotam essa prática.

Também é verdade que em alguns casos os pastores utilizam outros textos bíblicos na conclusão dos cultos, como por exemplo, a própria bênção escrita pelo apóstolo Paulo em sua fórmula mais simplificada presentes em outras epístolas, ou mesmo outras passagens bíblicas como Efésios 3:20,21; Hebreus 13:20,21 e Judas 24,25.
Outros também utilizam a bênção Araônica, também chamada de “bênção sacerdotal”, registrada em Números 6:24-26. Na verdade, historicamente, o uso da bênção Araônica no culto cristão é ainda mais antigo do que a própria bênção apostólica de 2 Coríntios.
Não é possível saber com exatidão se os cultos da Igreja Primitiva terminavam com alguma forma de bênção, nem mesmo se os próprios apóstolos terminavam os cultos com a bênção apostólica, mas na época da Reforma esse costume foi evidente, com Martinho Lutero sendo um de seus maiores defensores.
Quem pode pronunciar a bênção apostólica?

Essa é uma pergunta que já levantou muitos debates, principalmente com relação à dúvida se presbíteros e diáconos podem pronunciar a bênção apostólica. O que podemos dizer é que atualmente a resposta vai variar de acordo com a denominação.

Algumas delas procuram enfatizar o sacerdócio de todos os crentes (1Pe 2:9) e defendem que qualquer pessoa está apta a pronunciar a bênção sobre a congregação, enquanto outras entendem que apenas os pastores é quem devem concluir o culto com a bênção apostólica, pois apesar de todos os crentes exercerem o sacerdócio real, são eles quem possuem a responsabilidade hierárquica como ministros do Evangelho (cf. 1Co 9:13-14). Logo, naturalmente faz sentido que sejam eles, como ministros da Palavra e dos sacramentos, os encarregados de também pronunciar a bênção.

Seja como for, o importante é que fique bem claro que não é o grau hierárquico que confere legitimidade a bênção ou aumenta seu valor, mas a ênfase deve estar no valor subjetivo e espiritual da bênção, e que os cristãos a recebem pela fé. Esse é o tradicional posicionamento protestante.
Dessa forma, também se subentende que quando um pastor pronuncia a bênção apostólica isso não significa que ele o faz por possuir exatamente a mesma autoridade exercida pelos doze apóstolos e Paulo, ou mesmo por ser um tipo de detentor da bênção a qual ele controla de uma forma mística, como se ele próprio fosse o originador dela, e tivesse o poder de fornecer uma espécie de cobertura espiritual.

Na verdade, não há nada de mágico nisso, pois como foi dito, a bênção é derramada eficazmente somente sobre aqueles que, pela graça, estão dispostos a recebê-la através da fé. Nesse aspecto, aquele que a pronuncia não apenas expressa um desejo, mas a levam consigo (cf. Lc 10:5,6).
O que a bênção apostólica, não é?

Mais uma vez vale ressaltar que a bênção apostólica não deve ser entendida como uma combinação de palavras mágicas, ao contrário, o significado da bênção trinitariana escrita pelo apóstolo Paulo é muito mais profundo do que qualquer interpretação supersticiosa, já que, como vimos, ela sintetiza a mensagem do Evangelho, a saber, a graça divina, o amor divino e a comunhão divina que os redimidos desfrutam pela fé em Jesus Cristo.


Fonte: https://estiloadoracao.com/bencao-apostolica/

O QUE É A BÊNÇÃO SACERDOTAL NA BÍBLIA?





O Que é a Bênção Sacerdotal na Bíblia?




Bênção sacerdotal é a bênção que os sacerdotes impetravam sobre o povo de Israel conforme ordenou o Senhor. Essa bênção também é chamada de “bênção Araônica”, já que Arão e seus filhos foram os primeiros sacerdotes do povo hebreu.

A bênção sacerdotal na Bíblia

A bênção sacerdotal está registrada em Números 6:24-26, e consiste na seguinte fórmula: “O Senhor te abençoe e te guarde; O Senhor faça resplandecer o seu rosto sobre ti, e tenha misericórdia de ti; O Senhor sobre ti levante o seu rosto e te dê a paz”.

O capítulo 6 de Números pertence a uma seção do livro onde mostra Deus preparando o povo de Israel para a conquista da Terra Prometida. O Tabernáculo havia sido concluído (Êx 35-40), e agora ocorreria o censo e a organização das tribos, bem como seria dada as instruções referentes à exigência de santidade, mostrando a importância do próprio Tabernáculo e do sacerdócio para o povo de Israel.
A bênção sacerdotal foi especificada pelo próprio Deus que ordenou que Moisés instruísse Arão e seus filhos sobre o modo correto de como deveriam proceder ao abençoar o povo (Nm 6:22,23).
Alguns estudiosos entendem que talvez a bênção invocada por Simeão sobre José e Maria quando estes foram ao Templo apresentar Jesus, talvez tenha sido a própria bênção sacerdotal (Lc 2:34). Outros, como Lutero, sugerem que existe a possibilidade de Jesus ter utilizado a bênção sacerdotal quando abençoou seus discípulos (cf. Lc 24:50).

Como a bênção sacerdotal era pronunciada

A bênção sacerdotal era pronunciada apenas pelo sacerdote. Depois dos sacrifícios da manhã e da tarde, o sacerdote levantada as mãos e abençoava o povo, que respondia a bênção dizendo “Amém”.

Na adoração do Tabernáculo, e depois do Templo, um dos momentos mais importantes do culto era justamente quando o sacerdote pronunciava a bênção sobre o povo. A bênção sacerdotal foi assim pronunciada desde o tempo de Arão e Moisés (cf. Lv 9:22), permanecendo até os dias de Jesus, ou seja, durante séculos ela foi utilizada na adoração judaica.

Um exemplo disso é o episódio em que o sacerdote Zacarias foi queimar incenso no santuário e lhe apareceu um anjo do Senhor anunciando que Isabel, sua esposa, daria à luz ao profeta João Batista. Durante esse momento, o povo ficou aguardando do lado de fora que o sacerdote saísse e pronunciasse a bênção (Lc 1:10,21,22).


O significado da bênção sacerdotal

A bênção sacerdotal não era apenas um simples desejo ou uma oração que o sacerdote fazia sobre o povo. Na verdade, o significado da bênção sacerdotal está relacionado à garantia real da bênção divina, ou seja, os sacerdotes abençoavam o povo no Nome do Senhor.

Esse princípio fica muito claro nas palavras que sucedem imediatamente a bênção sacerdotal: “Assim, porão o meu nome sobre os filhos de Israel, e eu os abençoarei” (Nm 6:26). Isso significa que quando a bênção sacerdotal era impetrada, o Nome do Deus do concerto estava sendo “colocado” sobre o povo, e obviamente isso era um ato eficaz, que realmente resultava em bênção.
Também é possível dizer que a bênção sacerdotal basicamente transmitia a bênção pactual dos patriarcas sobre o povo. O patriarca Abraão passou a bênção a Isaque, Isaque abençoou Jacó, e Jacó abençoou sua descendência. Assim, os sacerdotes estavam impetrando a bênção pactual de geração em geração.
Para um melhor entendimento da fórmula da bênção sacerdotal, podemos fazer as seguintes considerações:

·         O Senhor de abençoe e te guarde: essa frase faz referência a proteção de Deus e o seu favor sobre seu povo, tanto nos aspectos físicos quanto espirituais da vida. Uma boa definição sobre a expressão “o Senhor te abençoe” pode ser entendida em uma frase de João Calvino, ao dizer que “a bênção de Deus é a bondade de Deus em ação”.

·    O Senhor faça resplandecer o seu rosto sobre ti e tenha misericórdia de ti: essa frase expressa o modo com que Deus olha favoravelmente para o seu povo, ou seja, o rosto de Deus voltado em direção a alguém significa sua presença no sentido de um relacionamento próximo e íntimo. Isso só é possível por sua infinita misericórdia, que por sua graça derrama o perdão.

·    O Senhor sobre ti levante o seu rosto e te dê a paz: quando alguém desfruta da bênção, da proteção, da misericórdia e de um relacionamento especial com Deus, o resultado não pode ser outro se não a paz. Essa paz não é apenas a simples percepção humana de paz, como sendo meramente a ausência de problemas e discórdias, mas é um estado sublime de bem-estar que repousa apenas sobre aqueles a quem a bênção de Deus é derramada. No Novo Testamento, o apóstolo Paulo escreveu em uma de suas cartas que essa paz, a paz de Deus, “excede todo o entendimento” (Fp 4:7). Para melhor entender esse conceito, leia sobre o que significa Shalom na Bíblia.


A bênção sacerdotal na Igreja

Muitos pastores possuem a prática de finalizar os cultos impetrando a bênção sacerdotal sobre a congregação. Esse costume é muito antigo, e possui suas raízes no tempo dos reformadores. Martinho Lutero, por exemplo, foi um grande defensor da importância da bênção na adoração cristã.

Com o tempo, outros textos bíblicos foram sendo utilizados para esse fim, sendo que a bênção apostólica registrada por Paulo em 2 Coríntios 13:13, é uma das mais utilizadas na atualidade.

Apesar de fazer sentido bíblico e também prático, não existe uma determinação expressa na Bíblia de que, a bênção sacerdotal ou mesmo a apostólica seja, necessariamente utilizada no término de cada culto. Por isso, algumas congregações as utilizam e outras não.

Fonte: https://estiloadoracao.com/bencao-sacerdotal/


SOB TRUMP AVANÇAM A AGENDA LGBT



https://mail.google.com/mail/u/0/images/cleardot.gif
https://mail.google.com/mail/u/0/images/cleardot.gif






Posted: 23 May 2017 03:31 AM PDT

Embaixadas americanas sob Trump avançam a agenda LGBT

Júlio Severo

Os evangélicos conservadores, cujo voto deu vitória a Donald Trump, haviam esperado que quando ele se tornasse presidente o governo dos EUA pararia de usar suas embaixadas para promover a agenda homossexual, como ocorria muitas vezes sob o ex-presidente Obama.


Embaixada dos EUA na Macedônia



Entretanto, na semana passada, quando ativistas esquerdistas, inclusive Cuba, estavam celebrando o Dia Internacional contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia (DIHTB), várias embaixadas dos EUA sob Trump também o celebraram.

A Embaixada dos EUA na Macedônia tuitou isto:

Estamos hasteando a bandeira do arco-íris hoje para comemorar o Dia Internacional contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia. #DIHTB2017

Trump não fez uma proclamação DIHTB formal, mas seu Departamento de Estado realizou uma “Celebração Mundial de Diversidades de Sexo e Gênero. ” Além da bandeira homossexual hasteada na Embaixada dos EUA na Macedônia, Kyle Randolph Scott, embaixador americano na Sérvia, realizou um Prêmio do Arco-Íris na Embaixada dos EUA na Sérvia. Ele disse:

“Os Estados Unidos continuam com o compromisso de avançar os direitos humanos de todos os seres humanos: isso inclui indivíduos LGBT aqui e no mundo inteiro. É por isso que minha embaixada e eu temos o orgulho de apoiar o trabalho da Aliança Gay-Hétero… O Prêmio do Arco-Íris serve como reconhecimento importante para um indivíduo ou instituição que tem contribuído para a luta contra a homofobia e transfobia na Sérvia… A Embaixada dos Estados Unidos contribui para avançar os direitos de indivíduos LGBT na Sérvia de muitas formas. Apoiamos várias organizações ativistas, tais como a Aliança Gay-Hétero, e Pais e Amigos de Lésbicas e Gays. ”

Como é que um embaixador americano pode descaradamente usar sua embaixada para promover a agenda homossexual em outros países, inclusive premiando ativistas e grupos gays, sem a autorização de seu governo?

Ted Osius, homossexual assumido que é o embaixador americano no Vietnã, escreveu um texto no blog oficial do Departamento de Estado dos EUA honrando o DIHTB.

Em fevereiro, Trump frustrou sua base de evangélicos conservadores que esperavam que ele removesse Randy Berry, embaixador especial LGBT de Obama (o primeiro desse tipo), cuja missão é promover a aceitação da homossexualidade, bissexualidade e transgenerismo no exterior sob a rubrica de “direitos humanos” e no nome do governo dos Estados Unidos. Em vez de dar atenção aos seus eleitores conservadores, Trump escolheu manter o embaixador homossexual de Obama.

Contudo, muitos conservadores não estão protestando contra tal imperialismo homossexual sob Trump porque seu governo está fazendo avanços econômicos (é a economia, idiota!), mesmo quando a um preço de sangue.



Com informações de LifeSiteNews (Peter LaBarbera) e da Embaixada dos EUA na Sérvia.

Versão em inglês deste artigo: U.S. Embassies Under Trump Advance LGBT Agenda

Leitura recomendada:
Para seguir Julio Severo no Facebook e Twitter: http://twitter.com/juliosevero Facebook: http://www.facebook.com/pages/Blog-Julio-Severo/185623904807430

Fonte: https://mail.google.com/mail/u/0/#inbox/15c35d941d3e1222


segunda-feira, 22 de maio de 2017

O QUE SIGNIFICA SHALOM ADONAI


O QUE SIGNIFICA SHALOM ADONAI




Shalom significa “paz”, no sentido de algo completo e bem-estar pleno. Esse é o significado geral dessa palavra hebraica que possui uma aplicação bastante ampla. Já Adonai significa “Senhor” ou “Mestre”. Neste texto, iremos entender melhor o que significa shalom e o que significa Adonai.

O que significa shalom na Bíblia

A palavra shalom é muito utilizada no Antigo Testamento em hebraico, e para entendermos seu significado completo precisamos analisar alguns textos específicos. Quando os escritores bíblicos do Antigo Testamento se referiram à paz, eles geralmente fizeram isso utilizando a raiz substantiva shalom.

Realmente a melhor tradução para essa palavra é “paz”, mas desde que seja entendida como uma paz que engloba uma ideia de bem-estar completo, onde há plena satisfação física, psicológica e espiritual.
A palavra shalom pode ser usada tanto para se referir às relações humanas como a relação do homem com Deus. Alguns exemplos que podemos destacar sobre o uso da palavra shalom na Bíblia são os seguintes:

·         Para transmitir a ideia de pleno bem-estar (Is 48:18).

·      Para se referir ao estado em que uma pessoa se encontra, por exemplo, “ele está muito bem” (Gn 43:27).

·         Como um tipo de benção, por exemplo, “vá em paz” (Êx 4:18; 1Sm 1:17).

·   Para expressar a concordância ou harmonia entre pessoas (Js 9:15; 1Rs 5:12).

·         Na busca ou oração pela tranquilidade e prosperidade de uma cidade ou nação (Sl 122:6; Jr 29:7).

·  Para se referir à segurança física, política e militar, a prosperidade econômica, ou mesmo a saúde (Lv 26: 4-6; 2Rs 20:19; Sl 4:8; 73:3; Sl 14:14; Ec 3:8; Jr 29:11; Zc 8:12).

·         Para designar a plena tranquilidade na maneira de viver ou até mesmo de morrer (Is 38:16,17; Gn 15:15; 2Rs 22:20).


Existem muitas outras aplicações da palavra shalom, inclusive no sentido negativo, ou seja, quando o contexto é uma esperança vã ou uma promessa falsa. É assim que a palavra shalom aparece no Salmo 28:3, para descrever os ímpios que praticam a iniquidade, que mesmo tendo maldade em seus corações, falam de paz ao seu próximo.

Também da mesma forma a palavra shalom está presente nas profecias dos falsos profetas, que dizem que há paz quando não há paz, conforme foi denunciado pelo Senhor através do profeta Jeremias (Jr 6:14; 8:11). O mesmo comportamento também foi reprovado através da profecia do profeta Ezequiel (Ez 13:10,16).

Septuaginta, versão grega do Antigo Testamento, utiliza a palavra grega eirene como principal tradução para o hebraico shalom. Devido a esse uso na Septuaginta, essa palavra grega é utilizada no Novo Testamento com a mesma amplitude e significado de shalom no Antigo Testamento, porém geralmente transmitindo um significado especialmente espiritual, estando relacionada à graça, a vida e a justiça (Rm 1:7; 8:6; 14:17).

Nesse mesmo sentido, esse termo grego também é utilizado como saudação introdutória ou encerramento na maioria das epístolas apostólicas.

Shalom como saudação

A aplicação mais conhecida da palavra shalom certamente é aquela em que aparece nas típicas saudações e cumprimentos dos judeus. Nesse contexto, a saudação “Shalom” significa “a paz seja contigo”, e pode ser aplicada tanto como pergunta, algo como nosso português “como vai você? ”, quanto como resposta, no sentido de “vai tudo bem”. A palavra shalom também pode ser utilizada como cumprimento ao chegar e como despedida ao sair.
Esse tipo de saudação também era utilizado por Jesus. No Evangelho de João existem alguns relatos do nosso Senhor utilizando essa saudação, onde aparece em nossa tradução como “paz seja convosco” (Jo 20:19,21,26).
Assim, expressões utilizando a palavra shalom são extremamente comuns, como:
·   Shalom Aleikhem, que significa “a paz sobre vós” ou “a paz esteja convosco”, respondida com a expressão inversa Aleikhem Shalom, “convosco esteja a paz”.

· Shabat Shalom, que significa algo como “um sábado de paz”, um cumprimento utilizado durante o sábado.

·   Alav Hashalom, que significa “sobre ele a paz”, transmitindo o sentido de que alguém, já falecido, esteja em paz.

·  Shalom Adonai, que significa literalmente “a paz do Senhor”. Falaremos melhor sobre isso em um tópico a seguir.

Devemos usar a palavra shalom?

Ultimamente, muita gente tem tido a tendência de aderir às práticas judaizantes como um tipo de misticismo. Fazem isso com objetos (réplicas da Arca da Aliança, shofar, etc), costumes (tentam cumprir rituais específicos do Antigo Testamento) e palavras (se recusam, por exemplo, a falar o nome Jesus ou Jeová por entenderem que não são transliterações corretas e dignas do original).

Com base nesse entendimento equivocado, algumas pessoas também empregam o termo shalom com um significado supersticioso, como se ao pronunciar “shalom” ao invés de “paz”, algo muito mais poderoso está sendo referenciado.

A verdade é que trocar a palavra “paz” por “shalom” possui o mesmo peso e importância de se trocar “paz” por “peace”, em inglês, ou seja, não há nada de especial e nem místico nisso. São apenas palavras.

O segredo da verdadeira paz não está na pronuncia de uma palavra de raiz hebraica, grega, latina ou germânica, mas na compreensão de que a profundidade do significado de shalomeirene, paz ou peace só pode ser alcançado em Deus.

É por isso que nas Escrituras Deus é aquele que dá a paz (Nm 6:26; Lv 26:6; Is 45:7), e, conforme Gideão exclamou, Ele é o próprio Jeová Shalom, que significa “o Senhor é paz” (Jz 6:24; cf. Rm 15:33; 2Co 13:11; Fp 4:9; 2Ts 3:16).

O que significa Adonai?

Para entendermos corretamente o significado de Adonai, precisamos conhecer o termo adon, do qual ‘Adonai deriva. Esse termo, adon, significa “senhor”, “soberano”, “mestre” ou “chefe”, no sentido de transmitir a ideia de alguém que possui poder ou força.

Já o termo ‘Adonai pode ser entendido como o plural de adon, não no sentido de “senhores” ou “mestres”, mas como um plural que enfatiza intensidade de posto e importância, significando então “Senhor”, “Soberano” ou “Mestre”, porém de uma forma muito mais elevada que simplesmente adon.

Adonai também pode ser utilizado como uma forma apelativa, significando então “Meu Senhor”. Na Bíblia hebraica o nome sagrado de Deus é escrito com as consoantes do tetragrama YHWH, originalmente pronunciado de forma aproximada como Yahweh.

Para os judeus, especialmente após o exílio na Babilônia, o nome próprio de Deus começou a ser considerado impronunciável, assim, como reverência, eles utilizavam Adonai em lugar Yahweh, ou seja, os próprios rabinos liam Adonai no lugar do Nome divino.

Portanto, quando Adonai é aplicado a Deus esse termo transmite o significado de que Ele é o Senhor de toda a terra, Senhor de senhores, ou, na forma apelativa, “meu Senhor e meu Deus” (cf. Êx 4:10).

O grego Kyrios, que significa “Senhor”, e em sua forma verbal significa “ter poder e autoridade”, é utilizado na Septuaginta para traduzir tanto Yahweh como Adonai, ou seja, é a palavra padrão para “Senhor” na versão grega do Antigo Testamento.

Assim, esse termo grego é exatamente equivalente ao hebraico Adonai, inclusive sendo aplicado pelos autores do Novo Testamento para se referir ao Senhor Jesus, ao Pai e ao Espírito Santo.
Significado de Shalom Adonai

Após compreender o significado de shalom e Adonai, fica fácil saber o que significa a expressão “Shalom Adonai”, que literalmente quer dizer “a paz do Senhor”. Essa é uma expressão bastante comum, que também deve ser respondida em sua forma inversa, “Adonai Shalom”.

Fonte: https://estiloadoracao.com/o-que-significa-shalom-adonai/