Google+ Followers

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

AYATOLLAH PLANO PARA ISRAEL E PALESTINA


"O portador de jihad para libertar Jerusalém". É assim que a conta de publicidade da Palestina, um novo livro publicado na semana passada em Teerã por Edições revolução islâmica apresenta seu autor.


O autor é o grão-aiatolá Seyed Ali Husseini Khamenei, o líder supremo da República Islâmica do Irão, um homem cuja fatwa foi reconhecida como valor jurídico fornecido pelo presidente dos EUA, Barack Obama.

O livro de 416 páginas, editado por Said Solh Ahmadi, foi aprovado pelo gabinete de Khamenei e, portanto, é o mais autoritário de seus pontos de vista sobre o assunto do documento.

Khamenei deixa claro sua posição desde o início, Israel não tem o direito de existir como Estado.

Ele usa três palavras. Um deles é nabudi, que significa "aniquilação"; outra é IMHA, que significa "desaparecer", eo terceiro é Zaval, que significa "claro".

Khamenei diz que sua estratégia para destruir Israel não é baseado em anti-semitismo, que ele descreve como um fenômeno europeu. Sua postura é baseada em "princípios islâmicos bem estabelecidas", disse ele.


O líder supremo do Irã, o aiatolá Khamenei (centro), em uma cerimônia maio 2014 acompanhado pelo Chefe do Estado Maior e os comandantes da Guarda Revolucionária Iraniana. (Imagem: IRNA).

Um deles é um território que está sujeito ao poder muçulmano, mesmo que por um curto período de tempo nunca pode ser entregue aos não-muçulmanos. O que conta no Islã é o controle do governo de um país, embora a maioria de seus habitantes não são muçulmanos. Khumeinists não são os únicos que pensam isso.

No mundo islâmico circulou dezenas de mapas que mostram a extensão dos territórios muçulmanos perderam para os infiéis e de ser recuperado é mostrado. Incluindo grandes áreas da Rússia e da Europa, pelo menos, um terço da China, da Índia e de toda a Filipinas e Tailândia estão incluídos.

No entanto, de acordo com Khamenei, Israel, que ele chama de Adu e doshman, que significa "inimigo" e "adversário", é um caso especial por três motivos. A primeira é que ele é um "aliado do Great American Satanás" leal e um elemento-chave de seu "plano maligno" dominar "o coração da Umma" [a comunidade global dos muçulmanos]. A segunda razão é que Israel tem lutado contra os muçulmanos em um número de ocasiões, tornando-se um "infiel hostil" (kafirAl Harbi). E, finalmente, Israel é um caso especial porque ocupa Jerusalém, que Khamenei descreveu como "a terceira cidade mais sagrada do Islã". Ele revela que um dos seus "desejos mais cobiçados" é rezar um dia em Jerusalém.

Khamenei insiste que não está recomendando "guerras clássicas" varrer Israel do mapa. Nem quer "matar os judeus." Ele recomenda um longo período de guerra de baixa intensidade para tornar a vida desagradável, se não impossível, para a maioria dos judeus israelenses, assim que deixar o país.

Seus cálculos baseiam-se no pressuposto de que muitos israelenses têm dupla cidadania e preferem emigrar para os EUA ou na Europa, antes de ser submetido a ameaças diárias de morte.

Khamenei não faz qualquer referência ao programa nuclear iraniano. Mas entende-se que um Irã com armas nucleares tornaria Israel pense duas vezes antes de responder à estratégia de adotar uma ação militar líder iraniano contra a República Islâmica.

De acordo com a análise de Khamenei, uma vez que o custo de ficar em Israel se torne demasiado elevado para muitos judeus, as potências ocidentais, especialmente os Estados Unidos, que apoiaram o Estado judeu ao longo de décadas, poderia decidir que o custo de tal apoio é maior do que os seus possíveis benefícios.

Graças ao Presidente Obama, os Estados Unidos e se distanciou de Israel de uma forma inimaginável há uma década.

Khamenei tem o que ele considera "cansaço de Israel." A comunidade internacional poderia começar a olhar para o que ele chama de "um mecanismo prático e lógico" para acabar com o longo conflito.

O "mecanismo prático e lógico" Khamenei excluir a fórmula de dois Estados, sob qualquer forma.

"A solução é uma fórmula de um Estado", diz ele. Esse estado, que a Palestina seria chamado, estaria sob controle muçulmano, mas admiti-los a permanecer como os muçulmanos "minorias protegidas" alguns, inclusive alguns judeus israelenses que demonstraram "raízes genuínas" na região.

De acordo com o plano de Khamenei, Israel, a Cisjordânia e a Faixa de Gaza seria novamente sob um mandato da ONU por um curto período de tempo em que um referendo seria realizado para criar o novo Estado da Palestina.

Todos os palestinos e seus descendentes, independentemente de onde eles estão, podiam votar, enquanto os judeus ", que vieram de outros lugares" seriam excluídos.

Khamenei não mencionou o número de potenciais eleitores no referendo sonhou. Mas de acordo com estudos realizados pelo Ministério das Relações Exteriores em Teerã, pelo menos oito milhões de palestinos em todo o mundo pudesse votar, em comparação com 2,2 milhões de "aceitáveis" futuros judeus como cidadãos de segunda classe da nova Palestina. Assim, olíder supremo é a certeza do resultado que teria o referendo propõe.

Não está claro se o Reino da Jordânia, que ocupa 80% da Palestina histórica, seria incluído no seu plano de um único estado. Eles são, no entanto, a maioria dos jordanianos de origem palestina, podem votar no referendo e, é claro, tornar-se cidadãos dos novos Palestina.

Khamenei assumido o sucesso de seu plano para tornar a vida impossível para os israelenses por ataques do Líbano e Gaza. Seu mais recente tática é recrutar "combatentes" na Cisjordânia para criar unidades do tipo de Hezbollah.

"Temos tomado parte nos assuntos anti-israelenses, e que levou à vitória na guerra de 33 dias travada por Israel contra o Hezbollah em 2006 e nos 22 dias entre o Hamas e os israelenses na Faixa de Gaza", ele se gaba.

Khamenei descreveu Israel como "um tumor canceroso", cuja eliminação significaria que "a hegemonia do Ocidente e ameaças seria desacreditado" no Oriente Médio. Em vez disso, ele se gaba, "hegemonia iraniana promovê-lo."

O livro de Khamenei também lida com o Holocausto, que ele considera "uma manobra de propaganda" ou uma tese discutível. "Se tal coisa existisse", escreve ele, "não sabemos por que isso aconteceu ou como."

Khamenei tem estado em contacto com os negadores do Holocausto profissionais do 90, em 2000, convidou o negador suíço Jürgen Graf Teerã e recebido em audiência privada. Negador do Holocausto francês Roger Garaudy, um convertido ao Islã stalinista, também foi homenageado em Teerã como "o maior filósofo vivo Europeia".

Khamenei apoiou o presidente Mahmud Ahmadinejad criou um centro de pesquisas sobre oHolocausto, liderada por Mohammad Ali Ramin, uma autoridade iraniana ligada a alemães neonazistas, que também organizou seminários anuais para Israel.

Apesar dos esforços para esconder seu ódio a Israel em termos islâmicos, o livro deixa claro que Khamenei é mais influenciado pelo estilo ocidental de anti-semitismo que as relações irregulares típicas com os judeus do Islã.

Seus territórios argumento tornar-se "islâmica irrevogavelmente" não vai lavar, mesmo que apenas por sua inconsistência. Não tem nada a dizer sobre grandes áreas de antigos territórios islâmicos, incluindo alguns que eram iranianos por milênios, eles passam a ser regidos pela Rússia.

Nem ele está pronto para iniciar uma jihad para expulsar os chineses de Xinjiang, um Canato muçulmano até o final dos anos 40 do século passado.

Israel, em termos territoriais equivalentes a apenas 1% da Arábia Saudita, Dam é um tempo muito pequeno.

Lágrimas Khamenei para "o sofrimento dos muçulmanos palestinos" não convincente. Para começar, nem todos os palestinos são muçulmanos. E se apenas os muçulmanos sofrem são pena, por que o líder supremo não bater no peito é dada pela birmaneses Rohingya e abatidos chechenos e acorrentado por Vladimir Putin, para não mencionar os muçulmanos que todos os dias são mortos por colega o mundo inteiro?

Em nenhum momento sequer mencionar Khamenei, nestes 416 páginas, a necessidade de ter em conta as opiniões de israelenses e palestinos sobre a sua receita milagrosa. E se ambos gostaria de uma solução de dois Estados?

E se eles querem resolver seus problemas através de negociação e compromisso e não com o plano de obliterar ele propõe?

Khamenei revela sua ignorância das tradições islâmicas quando Jerusalém chamado "nossa cidade santa." Como um estudante de teologia islâmica, você deve saber que "Cidade Santa" e "terra santa" Os cristãos são conceitos que não se encaixam no Islã.

No Islã, o adjetivo "santo" é reservado somente a Deus e não podem aplicar em qualquer um ou qualquer outra coisa. O próprio Alcorão é chamado o manid ("glorioso") e não é um livro sagrado, como é a Bíblia para os cristãos.

líder supremo deve saber que a Meca é chamado o Mukarrama ("generoso") e Medina Al Munawara ("iluminado"). Mesmo as cidades-santuário xiita do Iraque chamados muqadas("santo"). Uma chama Najaf al Ashraf ("mais nobre") e Kerbala para Muala ("o sublime").

Nos primeiros dias de sua missão, o Profeta Muhammad entretido a idéia de fazer de Jerusalém o ponto focal da oração no Islã. Logo ele abandonado, e em vez escolheu sua cidade natal, Meca, onde o cubo preto (Kaaba) tinha que ser um ímã para os peregrinos durante séculos antes do surgimento do Islã. Por isso, alguns escritores muçulmanos clássicos referir a Jerusalém como "descartado" (o yarmiya) como uma primeira esposa substituído por um novo favorito. No século XI, o xiita Fatimid califa Al Hakim mesmo ordenou a destruição de descartados Jerusalém.

A questão israelense-palestino não é religioso; é um conflito político sobre o território, as fronteiras, a alocação de água e segurança. Quem, como Khamenei tentar incutir uma dose de inimizade religiosa neste já complexo cocktail não são dignos de muita simpatia.


Fonte: http://es.gatestoneinstitute.org/6329/ayatola-israel-palestina

Nenhum comentário:

Postar um comentário