Google+ Followers

sábado, 19 de novembro de 2016

“RUTE, DEUS TRABALHA PELA FAMÍLIA”




ADMEP – ASSEMBLEIA DE DEUS MINISTÉRIO ESTUDANDO A PALAVRA

Departamento de Educação Cristã
Escola Bíblica Dominical



RUTE, DEUS TRABALHA PELA FAMÍLIA”

Texto Áureo:

“[...]. Bendito seja o SENHOR, que não deixou, hoje, de te dar remidor, e seja o seu nome afamado em Israel. ”
[Rute 4. 14]

Verdade Prática

Deus abençoa o trabalho, a fé a persistência da família que o serve.


LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Rute 1.1 – 14


Objetivo Geral:

Ressaltar que Deus abençoa o trabalho, a fé e a persistência da família que o serve.


Objetivo Específicos:

1.            Apontar a crise econômica pela qual Belém estava passando;
2.            Mostrar como Noêmia e Rute superaram as crises;
3.            Enfatizar que a fé e o trabalho nos ajudam a superar as crises.


§    Palavra IntrodutóriaRute 1.1: O texto não dá nenhuma prova de que Deus tenha orientado Elimeleque (heb., lit. “meu Deus é Rei”) a deixar Belém. A fertilidade do solo e a abundância das colheitas nunca foram garantias absolutas de não haver fome. Mudar de lugar também não é necessariamente a forma que Deus usa para lidar com uma Crise (veja Rm 8. 37 – 39). A partida de Elimeleque de Belém (heb., lit. “casa de pão”) não evitou que ele e seus dois filhos morrerem numa terra estrangeira, deixando sua esposa, Noemi, talvez ainda mais miserável do que se ela tivesse permanecido entre seus amigos e parentes.

§    A família de Elimeleque muda-se para Moabe na esperança de ter dias melhores. Mas, ali Elimeleque morre e é enterrado. Seus dois filhos também vieram a falecer em Moabe. Noami, a esposa de Elimeleque teve que enfrentar a perda do marido e dos filhos. Mas crises ainda piores estavam por vir.

§    Noemi e Rute voltaram para Belém, trabalham, mantém a fé em Deus e são grandemente abençoadas. Todos nós enfrentamos momentos de dor e aflição. Mas a nossa fé nos faz avançar, trabalhar e ver o impossível sendo realizado. Diante das adversidades, não desanime, não pare!

Pano de Fundo: - A história de Rute começa e termina no vilarejo de Belém, na tribo de Judá, com uma passagem por Moabe no começo e no final. Moabe era uma nação pagã que teve início com o relacionamento incestuoso entre Ló e sua filha mais velha (Gn 19.  36 – 37). Os moabitas, eternos inimigos de Israel, receberam julgamentos claros proferidos pelos profetas (Is 15. 1 – 9).

Propósito: - Com um começo triste e um final feliz, o Livro de Rute retrata a vida de uma família fiel que vivia num vilarejo e honrava a Javé. Mostra, ainda, a providência divina mesmo em meio às adversidades e tristezas. Deus usa pessoas simples e acontecimentos comuns para alcançar seus grandes propósitos.


Introdução: - Nesta lição, estudaremos a história de uma família que enfrentou a crise da fome, do luto e da desesperança. É a história de três viúvas: Noemi, Orfa e Rute. Elas enfrentaram momentos terríveis. Porém, duas delas não se deixaram abater pelas dificuldades. Com fé, inteligência, lealdade, persistência e esperança, venceram dificuldades. É uma história de trabalho, provisão e resgate.


I.              A CRISE ECONÔMICA

1.1.     Época dos juízes” ocorreu entre os anos 1380 e 1050 a. C. Foi um tempo de apostasia, confusão, degradação moral e muita tristeza. O nome Bet-Léhem, remete ao sentido de “Casa de Alimento”, a cidade natal do rei Davi (I Sm 16.18). Elimeleque significa “Meu Deus é Rei” (Jz 8. 23). Noemi significa “Agradável” (v. 20). Efrata era o nome da região nas proximidades de Belém (4. 11; Gn 35.19; I Sm 17. 12; Mq 5.2). Com a morte de Elimeleque iniciam-se as mais duras provas de Noemi (v. 21). Contudo, Deus é bom (v. 6), e no final dessa história, a idosa Noemi, se torna “mãe” de Obede (nome que tem o sentido de “Servo do Senhor”), por meio de Rute, sua nora (4. 17). Uma benção sem fim, porquanto Obede será pai de Jessé, que gerará o rei Davi, linhagem humana da qual nascerá Jesus Cristo, o Messias (4. 21 – 22).

1.2.     Fome na “casa do pão - Belém de Judá estava enfrentando uma terrível crise econômica. A fome tomou uma proporção gigantesca, obrigando as pessoas a deixarem a região. A escassez era resultado do mau governo dos últimos juízes de Israel. Estes haviam abandonado ao Senhor. Belém, que significa "casa de pão”, estava com fome. A cidade deixou de ser um celeiro de grãos para ser um lugar de escassez. Neste caso, a fome era resultado da disciplina divina (Lv 26.18-20). Israel afastou-se da comunhão com Deus, adorando ídolos pagãos. Nem todos agiam de modo pecaminoso, mas a disciplina era para todos. Mas o fato é que Deus opera na vida daqueles que permanecem fiéis a Ele e à sua Palavra (2. 12)

1.3.      A crise alcança uma família - (Rt 1.1,2). Elimeleque, (“Deus é Rei”, Noemi (“Agradável”) e seus filhos, Malom, seu nome significa (“fraco”, “doente”) e Quiliom, seu nome significa “falho” ou “aniquilado”, são atingidos pela CRISE. A escassez obrigou Elimeleque a deixar, juntamente com a família, a sua terra. Naquele momento de crise, eles fizeram o que parecia ser o melhor para toda a família, ou seja, seguiram para Moabe. Ao chegarem a Moabe, ao invés de encontrar pão, encontraram a doença e a morte. Elimeleque e seus dois filhos morreram em Moabe. Noemi ficou sozinha com suas duas noras. Naquele tempo não havia Previdência Social. As viúvas eram sustentadas pelos filhos, em especial o primogênito. Logo, perder o marido e os filhos era uma situação terrível.

1.4.     Morreu Elimeleque, Marido de NoemiNoemi, embora fosse uma fiel seguidora do Senhor, experimentou grande adversidade.

1.4.1.      Ela e a sua família sofreram os efeitos da fome, e tiveram que abandonar sua própria casa (v.1). Além disso, ela perdeu seu marido (v. 3) e seus filhos. Parecia que o Senhor a abandonara e até mesmo se voltara contra ela (vv. 13, 21).

1.4.2.      A história de Rute, no entanto, revela que Deus continuava cuidando dela, inclusive agindo através de terceiros, para socorrê-la em suas necessidades. Como no caso de Noemi, o crente fiel e leal a Cristo pode experimentar grandes adversidades na sua vida. Tal fato não significa que Deus os abandonou ou que os está castigando. As Escrituras frisam, repetidas vezes, que Deus continua, com todo o amor, a fazer todas as coisas cooperarem para o nosso bem em tempos de aflições. (Rm 8. 28, 36).

1.4.3.      Para qualquer um que aceita a plena Soberania – de um Deus justo e misericordioso, a existência do mal com a permissão divina (teodiceia) é um dilema natural. Noemi deixa implícita uma acusação de infidelidade contra Deus, cujo relacionamento com seu povo sempre se baseou, essencialmente, na pressuposição da fidelidade divina. Por causa de suas perdas pessoas, Noemi concluiu que Deus havia voltado as costas para ela e decidiu retribuir fazendo o mesmo. Pediu que a chamassem de Mara (heb., lit. “amarga”; veja v. 20). Ainda assim, existia um raio de esperança em Noemi, pois, ao referir ao Senhor (Javé), colocou essas experiências trágicas da perda do marido, dos filhos e de suas posses terrenas dentro do contexto da promessa da aliança. O uso do nome pessoal de Deus na aliança lembrou Noemi e sua nora da maior de todas as promessas, que é a fidelidade de Deus.

1.5.     Três viúvas. - Essas mulheres, desprotegidas, sofreram enormes dificuldades para sobreviver. Mas Deus não abandona seus filhos nem os desampara. O Senhor já tinha um plano de redenção e bênção preparado para Noemi e Rute. Em momentos de crises, muitas vezes achamos que Deus está silencioso e distante. Parece não haver saída, mas Ele está trabalhando em nosso favor. Por isso, não tenha medo. Deus não vai desamparar você.

1.6.     O Senhor .... Sob cujas asas te vieste abrigar. (2.12) – Este é o versículo-chave do livro de Rute. Mesmo em meio à grande apostasia durante o período dos juízes. Deus estava atento àqueles que o buscavam com sinceridade e fé firme (Sl 17. 8; 36. 7; 63.7). A história de Rute diz respeito à providência de Deus na vida dos que nEle confiam e andam nos seus caminhos. Assim como Abraão correspondeu com fé ao chamado do Senhor, assim também a confiança que Rute teve no Senhor levou-a a deixar sua pátria e parentela para cumprir sua parte no divino propósito redentor (Gn. 12. 1 – 4).


II.            SUPERANDO AS CRISES

2.1.     Noemi enfrenta a crise - Noemi tornou-se uma mulher amarga, triste e sem esperança. Parecia não existir solução para a crise que estava vivendo. As dificuldades podem embaçar a nossa visão e tirar toda a nossa expectativa. Se você está enfrentando uma situação que não parece ter solução, não se desespere. Tenha fé no Deus de toda a provisão. Noemi foi dominada pela amargura e dor. Seus sentimentos tornaram-se amargos. Ela não esperava mais nada da vida, senão a morte.

2.2.     O retorno para sua terra. - Noemi tomou a decisão de retornar para Belém, a sua terra natal. Porém, antes ela decidiu liberar suas noras, Orfa e Rute, para que voltassem às suas famílias. Orfa aceitou a liberação de sua sogra e retornou para sua família.  Mas Rute não quis abandonar a sogra. Talvez, Noemi estivesse pensando que Deus a estava castigando com todos aqueles sofrimentos. Ela não podia imaginar o plano de Deus em todas aquelas adversidades. Aprendemos com a Palavra de Deus que [...]"todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus [...]" (Rm 8.28).

2.3.     Rute e o Deus de Israel. - Rute declarou: "[...] O teu Deus é o meu Deus"(Rt 1.16). Sua sogra, embora atravessando um momento difícil, deu um excelente testemunho. A convivência com Noemi levou Rute a ter uma experiência pessoal com Deus. Rute se apegou à sua sogra. (Tal gesto de amor e generosidade nos mostra que é possível o bom relacionamento entre noras e sogras).

2.4.     O Senhor .... Sob cujas asas te vieste abrigar. - (2.12) – Este é o versículo-chave do livro de Rute. Mesmo em meio à grande apostasia durante o período dos juízes. Deus estava atento àqueles que o buscavam com sinceridade e fé firme (Sl 17. 8; 36. 7; 63.7). A história de Rute diz respeito à providência de Deus na vida dos que nEle confiam e andam nos seus caminhos. Assim como Abraão correspondeu com fé ao chamado do Senhor, assim também a confiança que Rute teve no Senhor levou-a a deixar sua pátria e parentela para cumprir sua parte no divino propósito redentor (Gn. 12. 1 – 4).


SÍNTESE DO TÓPICO II

Noemi e Rute com fé e trabalho superaram as crises.


III.          FÉ E TRABALHO

3.1.     Noemi e Rute chegam à terra do pão. - A chegada de duas mulheres viúvas à cidade deve ter chamado a atenção das pessoas, especialmente daquelas que haviam conhecido Noemi antes de sua partida. Noemi agora se encontrava com a alma amargurada.  Por isso, pede para ser chamada não mais de Noemi, que significa "agradável", mas "Mara", isto é, "amarga". Noemi retornou à sua cidade sem marido, sem filhos e sem bens. Ela acreditava que todo aquele sofrimento vinha de Deus, como uma forma de punição (Rt 1.21).

3.2.     Rute ajuda Noemi. - Elas chegaram a Belém no "princípio da sega das cevadas" (Rt 1.22), ou seja, quando a colheita estava começando. Se em Moabe a situação era precária, agora em Belém, havia esperança, pois havia trabalho na colheita da cevada. Vencemos as crises com a ajuda de Deus e com muito trabalho.

3.3.     Rute trabalha apanhando espigas. -  Rute vai para um campo de cevada que pertencia a um parente de Elimeleque. Ali, ajunta as espigas que os segadores deixavam para trás. Essa prática era permitida pela Lei Mosaica para ajudar os necessitados (Dt 24.19-21).  Siga o exemplo de Rute, não fique de braços cruzados

Lição Espiritual: -  Aprenda a servir. Saiba que Deus nos chama a servir aqueles a quem amamos. Creia que Deus honrará aqueles com disposição de servir.

Ao dispor-se a trabalhar no campo, Rute descobriu que Boaz era parente de Elimeleque e, por lei ele poderia se casar com ela e redimi-la. Boaz fez tudo conforme orientava a lei. Ele é um tipo de Cristo, o nosso Redentor, que sendo rico se fez pobre para nos fazer herdeiros das suas riquezas (2 Co 8.9). Boaz casa com Rute e ela dá à luz a um filho, o qual recebeu o nome de Obede. Mais tarde Obede se tornou o avô de Davi. Deus honrou a decisão, a atitude e o trabalho de Rute.

3.4.     BoazSignifica “Rapidez”. Noemi era parente de Boaz através do seu marido, Elimeleque, um fato essencial para a posterior função de “parente remidor” exercida por Boaz. Homem valente e poderoso, em hebraico, indica mais do que prosperidade econômica.  Reflete alguém com poder e dignidade social na comunidade. Também sugere que Boaz, provavelmente, tenha sido um guerreiro em sua juventude. (Lição Espiritual: Aprenda a servir. Saiba que Deus nos chama a servir aqueles a quem amamos.  Creia que Deus honrará aqueles com disposição de servir).

3.5.     A Providência DivinaA mão sustentadora de Deus é sentida ao longo de todo o livro. Mediante o cuidado terno e amoroso de Rute (Rt 1. 16, 17), Deus trouxe consolo a Noemi quando ela mais sofria, depois da morte de seu marido e de seus filhos, Deus proveu sustento para Rute e Noemi nos dias de pobreza pela generosidade do “parente próximo” (Rt 2. 7 – 8; 4. 10). Deus substituiu a raiz de amargura em Noemi por uma fonte de alegria com o nascimento de seu neto, Obede (Rt 4. 15 – 16). Deus usou a vida alquebrada dessas duas mulheres, que, depois de parecer que haviam perdido tudo, encontraram a mais alta honra de se tornarem parte da genealogia do Messias (Rt 4. 17; veja também Mt 1. 3 – 6; Lc 3. 31 - 33).


SÍNTESE DO TÓPICO III

Fé em Deus e trabalho são fundamentais para vencer as crises.


CONCLUSÃO: -  Rute teve algumas perdas em sua vida; perdeu o sogro, o cunhado e o marido. Além dessas perdas, teve que cuidar de uma sogra triste e desamparada. Mas o Deus da provisão não desamparou Rute nem Noemi. Temos um Deus que nos ajuda e abençoa-nos com o trabalho e a sua provisão. Confie!




                                            Aula Elaborada, pela professora,
                                                          Pra. Maria Valda – ADMEP




Um comentário:

  1. Que bênção esse estudo,Deus continue abençoando seu ministerio,Deus seja louvado.

    ResponderExcluir