Google+ Followers

sexta-feira, 8 de abril de 2016

“ALIANÇA EDÊNICA E ALIANÇA ADÂMICA”

ADMEP – ASSEMBLEIA DE DEUS MINISTÉRIO ESTUDANDO A PALAVRA

Departamento de Educação Cristã
Escola Bíblica Dominical



ALIANÇA EDÊNICA E ALIANÇA ADÂMICA


Texto Áureo:

Pelo que, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, por isso que todos pecaram”.
Romanos 5. 12


Leitura Bíblica em Classe
Romanos 5. 13 - 19


Objetivo:

1.    Saber que, em todos os momentos da história humana, Deus convida o ser criado à Sua imagem e semelhança a participar da grandeza do Seu amor.

2.    Conhecer alguns dois modelos particulares por meio dos quais Deus revelou sua graça aos homens.

3.   Entender os pressupostos que envolvem os primeiros concertos observados no texto bíblico: o edênico e o adâmico.


§ Palavra IntrodutóriaUma Aliança é um pronunciamento soberano de Deus através do qual ele estabelece um relacionamento de responsabilidade:

1) Entre Ele mesmo e um indivíduo (ex. Com Adão na Aliança Edênica) Gn 2. 16);
2) Entre Ele mesmo e a humanidade em geral (ex. na promessa da Aliança Noética (Gn 9. 9);
3)  Entre Ele mesmo e uma nação (ex. com Israel na Aliança Mosaica, (Êx 19. 3 – 6);
4) Entre ele mesmo e uma família humana especifica (ex. com a de Davi na promessa de uma linguagem real perpetuada na Aliança Davídica, (II Sm 7. 16).


Nota:O Que Significa uma Aliança de Deus aos Homens:  Uma Aliança é um pronunciamento soberano de Deus através do qual Ele estabelece um relacionamento de responsabilidade.


As Alianças são normalmente incondicionais no sentido de que Deus se obriga em Graça, pela declaração irrestrita, “Eu Farei” a realizar certos propósitos anunciados, apesar de qualquer fracasso da parte da pessoa ou do povo com o qual Ele realiza a Aliança.

Nota:  - As Alianças entre Deus e os Homens são Oito:

1.         A Aliança Edênica (Gn 2, 16, 17);
2.         A Aliança Adâmica, (Gn 3, 15);
3.         A Aliança Noética, (Gn 9. 16);
4.         A Aliança Abraâmica (Gn 12. 3);
5.         A Aliança Mosaica (Êx 19. 5);
6.         A Aliança palestiniana (Gn 30. 3);
7.         A Aliança Davídica (II Sm 7. 16); e
8.         A Nova Aliança (Hb 8. 8).



Nota: - A Definição da palavra Dispensações. Uma Dispensação é um período de tempo no qual o homem é testado na sua obediência a alguma revelação especifica na vontade de Deus. - As Dispensações são Sete:

1)  Dispensação da Inocência (Gn 1. 28);
2) Dispensação da Consciência ou Responsabilidade Moral, (Gn 3. 7);
3)  Dispensação do Governo Humano, (ou seja, a primeira organização em Sociedade) (Gn 8. 15);
4) Dispensação Patriarcal (Promessa) ou da Família (Gn 12. 1);
5)  Dispensação da Lei, (Êxodo 19. 1);
6)  Dispensação da Graça, Atos 2. 1) é a Dispensação da Igreja; e
7) Dispensação do Milênio ou Reino que será o Governo Divino (Ap 20. 4).



I. A REVELAÇÃO DO PLANO DE SALVAÇÃO – (ver na própria lição)


1.1. Deus revela-se em todas as épocas A Bíblia constitui-se na grande revelação da história da salvação. Nela Deus progressivamente, manifestou Sua vontade aos homens. Sempre foi o desejo de Deus se revelar aos homens. (Vejamos as referências na revista: Ponto 1.1)


II. PACTOS E ALIANÇAS: DEUS REVELA A SUA GRAÇA

A Bíblia relata, basicamente, dois grandes Pactos e/ou Alianças entre Deus e os homens: No V. Testamento, é apresentado por meio da expressão hebraica berith; e no N. Testamento, origina-se do termo grego diatheke.  - Estas duas palavras, uma em hebraico e outra em grego, tem o mesmo significado: Significa Pacto, Aliança.

2.1. As grandes Alianças no AT.  - São Sete: (veja na Palavra Introdutória as Alianças).

A Aliança do NT:  - Apenas Uma: “a Nova Aliança” (Hb. 8. 8 – 13). Essa Aliança é baseada no amor divino: os homens são salvos exclusivamente pela graça, por meio da fé no sacrifício de Jesus (Rm 3. 21 -26). – Aliança Cristã foi feita por Cristo no Calvário.

2.2. A diversidade de pactos e alianças: - São Oito (08) os pactos ou Alianças. Observe-se que, enquanto as Alianças Adâmica, Noética e a Nova Aliança estendem-se a toda Humanidade, as Alianças ou Pactos Mosaico e Davídico são exclusivos da Nação Israelita.  -(Veja na lição 2. 2).


III.  AS ALIANÇAS EDÊNICA E ADÂMICA


3.1.  A Aliança Edênica: - (Gn 2. 16,17). Período indeterminado. Por essa aliança Deus concedeu ao homem plena inteligência, intuição e capacidade administrativa, pelas quais regeria a Criação na qualidade de responsável perante Deus.

3.1.1. Características da Aliança Edênica e/ou certas Obrigações: - (1) – Propagar a raça; (2) – Sujeitar a Terra ao homem; (3) – Dominar a Criação; (4) – Cuidar do jardim do Éden e comer os seus frutos e ervas; e (5) – Abster-se de comer de um único fruto, da “árvore do conhecimento do bem e do mal”, com a penalidade da morte. – Este evento é denominado, na teologia, de período da Inocência Humana (Gn 1. 26 – 30; 2. 16,17). (Ponto 3.1).  Era necessária essa proibição única, uma vez que o homem tinha livre arbítrio. A escolha seria o meio de provar essa liberdade.

3.2. A Aliança Adâmica:  - Este Pacto ou Aliança foi instituído no momento em que o primeiro casal romperam com a Aliança Edênica, estabelecida por Deus no Éden. (Gn 3). (Veja na lição. Ponto 3.2).  Antes disso não havia logicamente sacrifício pelo pecado.

3.2.1. Maldições proferidas sobre a humanidade e a terra a partir do pecado original. – Foi o grande pecado de todos os séculos. Verificamos ainda os passos que o homem deu em sua queda:  Estes são: (1) – ver; (2) – cobiçar; (3) – tomar; (4) esconder-se; 5) transmitir; e 6) – morrer. (Gn 3. 1 – 9).

  Resultados da Queda: - (1)Conhecimento do mal; (2)A Perda da Comunhão com Deus; (3)Separou-se de Cristo. Foi o mais desastroso dos resultados da Queda. (4)O Espírito do homem ficou em estado de morte em três formas: Espiritual, física e eterna. (5)A Perversão da Natureza Moral. (6)O corpo ficou sujeito às enfermidades, que no fim resultou na morte física e consequente corrupção.  (7)tornou-se escravo do Pecado e de Satanás. (Jo 8. 34, 44). (8)Outros resultados funestos. - Foi que o homem perdeu muito de sua inteligência e capacidade administrativa. (Gn 3. 19). A própria terá foi amaldiçoada por sua causa. – A tristeza seria o companheiro constante do homem em toda a sua jornada. E além disso, ainda perdeu as vestimentas gloriosas com que estava originalmente revestido e fugiu da presença de Deus, envergonhado.

· A Sorte da Mulher. – Gn 3. 16. Além das consequências más sobre o casal em geral, a mulher sofreu uma maldição tríplice: a concepção multiplicada, um aumento de dores durante a maternidade e a sujeição ao domínio do homem.

·  A Maldição sobre a Serpente -  Gn 3. 14, 15. Foi condenada a rastejar-se sobre o ventre e a comer o pó da terra.

·  Vedado o Caminho da Árvore da Vida - Gn 3. 24. Foi por misericórdia que Deus expulsou Adão e Eva do Jardim e proibiu a sua aproximação da árvore da vida.


3.2.2. O tempo da consciência. - Período Indeterminado.  Este período de tempo, de duração incerta, estendeu-se desde a Criação do ser humano até o Dilúvio, nos anos de Noé. É o SÉCULO ANTE-DILUVIANO.

3.2.3.   A promessa de um Salvador, Um Raio de Esperança. Gn 3. 15. – esta promessa pode ser chamada de “proto-evangelho”, pois Deus prometeu a Semente da mulher, que dela mesma, nasceria aquele capaz de esmagar a cabeça da serpente, isto é, Jesus Cristo, o Redentor, que venceria Satanás. É a primeira das grandes promessas messiânicas.


O tipo bíblico desta vitória aparece no ato de Deus sacrificar um animal para prover as túnicas com que cobrir a nudez de Adão e Eva. É um tipo de Jesus, o Cordeiro de Deus, que nos proveu uma cobertura para o nosso pecado. (João 1. 29).



Conclusão: - O Criador fez o homem bom e perfeito, mas o homem fez a sua escolha, ele tinha o Livre Arbítrio, isto é, ele podia escolher o seu caminho, e escolheu o caminho errado; e todas essas consequências que vimos na lição, foi o seu resultado. Foi a pior tragédia da Humanidade. Mesmo aceitando Jesus, temos ainda resultados desta Escolha de Adão. Somente por meio do “Segundo Homem”, Cristo, retomamos todas as coisas que o primeiro Adão perdeu. (I Co 15.  45 – 47; Cl 2. 10; Hb 2. 7 – 9). Em todos os momentos da história humana, Deus convida o ser criado à Sua imagem e semelhança a participar da grandeza do Seu amor.




                                                    Aula Elaborada, pela professora,
                                                          Pra. Maria Valda – ADMEP



Material Pesquisado:
ü   O Plano Dino Através dos Séculos – Estudo das Dispensações – N. Lawrence Olson
ü   Apostila: As Dispensações e as Alianças aos Homens – Prof.ª Maria Valda.
ü   Lição da editora Gospel                                                                                                     
ü   Comentarista, Pr. Samuel Malafaia


Nenhum comentário:

Postar um comentário